XXXVI

chocolate-fighting

Aparentemente dei a minha 36ª volta completa à volta do Sol num certo dia da semana passada, o que me fez merecer as mais diversas felicitações. Por existir, aparentemente. Uma vez que a maioria dos dias a minha existência nem sequer merece repúdio, sendo simplesmente ignorada, não desdenho essas felicitações à minha existência e a mais uma involuntária circumnavegação do sistema solar. Além disto, a ocasião permite que se organizem uns jantares e beberetes onde posso reencontrar pessoas que não via há algum tempo – desde a última celebração idêntica, por vezes.

Apesar da gravidade com que se iniciam os 36 anos – com aquele efemérico acordar em que mais uma vez me ponho a reflectir nas coisas que tanta gente alcançou em menos tempo; isto é, a invejar o que desconheço – não finjo que não aprecio fazer anos. Gosto dos aniversários alheios mas sobretudo dos meus: dias em que não fica mal reclamar – ou exigir até – a atenção dos outros, tal fedelho mimado. Com 36 anos, perdemos a vergonha do mimo e da necessidade de afecto. Podemos tê-la andado a esconder, armados em jovens adultos, armados em jogadores com os afectos, invulneráveis. Pelo contrário, queremos aquilo a que todo o ser humano tem direito e que só por teimosia e mania desdenha. Abrace-se o mimo, e comam-se chocolates. Todos gostam de chocolates.

Os comentários estão encerrados.