Filtrar por tag: actualidade

Somos os maiores!

A cidade do Porto ganhou o prémio de Melhor Parque Temático Europeu, não dando sequer hipóteses à Euro-Disney, ao Parque Asterix, e ao grande favorito, a Bracalândia. As mesmas massas que elegeram (acho) Pablo Osvaldo como o melhor reforço do FC Porto 2015/2016 foram mobilizadas para uma decisiva vitória numa votação online apenas comparável com a escala das últimas presidenciais norte-americanas.

Admito que a propaganda municipal me merece menos interesse que a Dica da Semana, pelo que posso ter lido mal. A ter vencido o prémio de Melhor Ponto de Partida Europeu, será uma vitória justíssima: tenho a maioria dos meus amigos emigrados em cidades como Berlim, Toronto e Pequim (medíocres quando comparadas com as oportunidades de trabalho, lazer, e qualidade de vida oferecidas pelo Porto-ponto) e o nosso aeroporto é de facto porreiro. Somos os maiores, carago!

A Troika em nós

Costumo passar a maioria das tardes de Sábado aqui na Baixa do Porto, pelo que já consigo notar que hoje, 15 de Setembro de 2012, será um Sábado Especial: um dia quente com 27 ºC e em que o Sol brilha sobre as esplanadas mais cheias que o costume; em que mesmo o interior dos cafés está cheio de pessoas bem vestidas para um dia de passeio, comendo os seus almoços tardios, ponderando as questões logísticas da conjugação dos seus propósitos contestatários com a assistência de vários concertos da Optimus D’Bandada, cuja dispersão de eventos quase-simultâneos em locais algo exíguos numa zona alargada e de topografia acidentada requer pleneamento preciso.

Existem também os tais propósitos contestatários. Entre o tirar fotografias de cartazes engraçados para colocar no Facebook, as idas às barraquinhas da SuperBock (que ainda não vi mas não duvido que apareçam a tempo), e os concertos em barbearias e garagens, é suposto que se grite bem alto “Que se lixe a Troika!”, aceitando o convite Eu Vou À Manifestação, E Tu?, cujo proto-fascismo escapou (espero eu) a quem redigiu tal título. A unidade forçada de forma inconsciente é bem patente no meme do momento, em que o Robin leva um severo tabefe do Batman quando murmura dúvidas sobre a sua participação na manifestação.

Eu estou aqui ao lado e não irei à manifestação. (Abaixo-me para me esquivar do Batman.) Eu não quero que se lixe a Troika. Não conheço pessoalmente nenhuma pessoa no FMI, na Comissão Europeia ou no BCE, e não tenho por costume desejar mal a desconhecidos. Além disso, a logística da coisa parece-me deveras complicada: como é que é suposto a Troika ir-se lixar? Interessa-me mais a segunda parte das palavras de ordem: “Queremos as nossas vidas!” E, salvo a hipotética intervenção do Batman, tenho a minha vida: todos temos as nossas vidas. Julgo que existe aqui um apelo à acção individual que é admirável – e paradoxalmente o último sítio onde o vejo tal apelo a poder ser posto em prática é em manifestações do filo que se foda X.

Sou frontalmente contra manifestações de cariz negativo: quero que se lixe a preocupação com a Troika. Deixem-nos estar, só querem receber o dinheiro deles. Se for devido, pagá-lo-emos, se não for, não pagamos, pronto. E embora as suas aparições mediáticas me suscitem menos simpatia que as dos burocratas anónimos das insituições credoras ao Estado Português, mesmo assim, nem quero que se lixe o Passos Coelho, o Vitor Gaspar, o António Borges. Há no entanto algumas coisas que gostaria que acontecessem, com Troika ou sem Troika:

Que existisse um plano para aumentar o salário mínimo até à média europeia. Que os impostos e contribuições se tornassem verdadeiramente progressivos, com os rendimentos do Capital equiparados ao escalão mais alto do IRS e uma descida no geral do IVA compensada por um novo escalão para produtos de luxo. Que a falta de remuneração do trabalho fosse criminalizada. Que o valor do arrendamento de apartamentos pequenos fosse equivalente, no máximo, a um terço do salário mínimo. Que o imposto sucessório fosse reintroduzido. Que os transportes públicos expandissem os seus serviços e baixassem os preços, usando um imposto extra sobre os combustíveis para fins não-comerciais se necessário. Que as infraestruturas fossem renacionalizadas. Que os cargos judiciais fossem sujeitos a controlo democrático (isto é, eleições) de cariz individual e apartidário. Que a Alemanha saísse do Euro. Que os deputados, ministros, autarcas e restantes cargos políticos fossem bem remunerados e tivessem o direito de optar por um bom subsídio de desemprego proporcional aos anos de serviço – em troca de uma total e criminalizada inibição de ocupar cargos no sector privado nos cinco anos subsequentes. O reconhecimento que devido à evolução técnica o Futuro tende para o Pleno Desemprego e que apenas uma distribuição justa da riqueza – com base na criação de valor -, um investimento massivo na Cultura e Educação e uma progressiva redução do horário laboral podem garantir uma qualquer estabilidade.

Cada uma destas pretensões, variando entre o facilmente e o dificilmente exequível, justificará por si só uma manifestação maciça, com uma palavra de ordem bem concentrada e bem definida. É certo que ainda vou a tempo de imprimir uns cartazes e de juntar estas minhas opiniões a uma manifestação que apesar do “Que se lixe!” se pretende, segundo os organizadores, Do It Yourself. Mas de que serve a cocofonia, um “estamos contra!” sem uma lista de exigências clara e legível? Num diferendo entre uma população e um Governo que esta mesma ligitimou nas urnas e nas ruas (e muito à conta de uma manifestação semelhante da qual me arrependo de ter sido parte) a negociação apenas pode existir sobre reinvindicações concretas.

Mas sobretudo, temo que este tipo de manifestações vagas e ao calhas, em que todos têm a sua opinião mas o que sai da cocofonia é uma recusa sem alternativa, sejam uma mera catarse que transfere responsabilidades individuais para Os Outros: Nós queremos as nossas vidas mas Eles não deixam. E chegando a Segunda-feira o estado das coisas, embora mais debilitado, manter-se-à: muitas pessoas aceitarão a exploração a troco de um metafórico bilhete para a lotaria do Sucesso, sabendo-se substituíveis em caso de recusa. Mesmo que o evitem nas eleições mais imediatas, muitos voltarão a votar em partidos que jamais tiveram qualquer política de redução do fosso entre os mais ricos e os restantes, esperançosos de um benefício adicional caso a Fortuna chegue.

A guerrilha entre colegas, classes e gerações continuará, e o facto de todos virem a pagar mais para a Segurança Social não mudará o aspecto fundamental da sociedade portuguesa: um conjunto de pessoas que são em larga medida neoliberais até à medula independentemente da preferência política expressa, crentes na tese da “vida acima das possibilidades” e que esta apenas se aplica a todos os outros / Eles, dispostas a pagar mais por menos desde que os vizinhos sofram mais. Sintomática da inveja endémica veja-se a visão pop sobre os políticos: o Deputado é uma espécie de ogre comilão e bebedor do sangue dos seus eleitores, um ser que aparentemente se desenvolve a partir dos restos abandonados nos contentores atrás de restaurantes de má reputação. Embora haja casos em que isto possa ser verdade, ignora-se alegre e prepositadamente que os partidos políticos têm instalações físicas com portas abertas dentro de horários de expediente bem publicitados, e que é possível entrar para a Política mediante o pagamento de uma quota modesta (desconheço no entanto se requerem o pagamento de jóia). Em vez disto espera-se por uma Limpeza, a ser efectuada por Alguém que ainda desconhecemos – esperança esta que dados os exemplos históricos apenas nos devia trazer arrepios.

A Política dá trabalho e só a tradição nacional de monosprezar o trabalho dos outros impede que as pessoas entendam isso. Passei parte da minha infância acompanhado o meu pai nas suas incursões políticas e recordo-me das passagens obrigatórias aos sábados à tarde na sede do partido, nas suas saídas à noite durante a semana, da logística da ida a comícios onde agitava bandeiras sentado às suas cavalitas – tudo uma grandessísima seca. Não é Relvas quem quer, veja-se uma fracção do que é necessário:

Segunda – jantar da J. F. Póvoa de Stº Adrião;
Terça – encontro com o Rancho Folclórico de Alheira de Cima;
Quarta – jantar da Ass. Com. Torres Vedras (ou Torres Novas ou lá o que é);
Quinta – jantar-comício do Partido em Oliveira do Hospital;
Sexta – seminário da Ass. Empresarial do Baixo Guadiana.

Vida boa? Nem eu tenho paciência para inventar o Sábado de tão desgraçada personagem, quanto mais vivê-lo.

A nossa democracia é representativa: nós delegamos as coisas para as quais não temos paciência, e saímos de cena para voltar a aparecer no dia das eleições. Como noutras situações mais prosaicas, pagamos a outros para que as façam por nós, e cada um deverá reflectir o quanto está disposto a pagar pela dispensa da sua parte na condução da sociedade. Interagimos com os eleitos apenas em manifestações de massas, umas vezes para os apoiar, a esmagadora maioria das vezes para os insultar. Ninguém está para ter trabalho adicional. Os políticos com que ficamos são assim um reflexo da nossa ausência de interesse, fazendo-se pagar proporcionalmente à sua raridade numa população que está mais interessada:

  1. Na catarse e no sentir-se bem consigo próprio que advém das actividades de grupo – a documentar e publicitar nas redes sociais, evidentemente;
  2. Em conjugar tal catarse com o passeio (ex. a Optimus D’Bandada) e o consumo conspícuo, em vez do assumir de formas de luta mais extenuantes – seja o protesto contínuo à grega/espanhola, seja a participação política activa supracitada;
  3. Em encontrar bodes-expiatórios e em demonizar Outros / Eles do que em reinvindicar coisas concretas, pois tal requer esforço intelectual e reconhecimento da complexidade e uso de lógica e da negociação e etc., coisas que não interessam muito a quem procura o ponto nº 1.

Esta é a verdadeira Troika, a nossa Troika.

A manifestação já começou entretanto, oiço as buzinas, abafadas talvez por dois quarteirões. Ficarei por aqui, a beber um chá, a comer bolachas e a ouvir música. Já exprimi a minha opinião, ficará aqui para quem a quiser ler, assim como para eu próprio a poder revisitar mais tarde. Tenho a certeza que todos ganharíamos mais se as centenas de milhar que se manifestam dedicassem este seu tempo e esforço a pensar nas complexidades e a pôr por escrito o que realmente reinvindicam e como – e não só do Estado mas dos restantes portugueses e sobretudo de si próprios. Perder-se-iam umas recordações e a sensação de ter ajudado a dar um recado mediático (cujos destinatários irão esquecer numa questão de dias se é que chegaram a prestar atenção), ganhar-se-iam ideias bem necessárias.

Reinvindiquemos consequências.

Da ignorância

Anda a circular por aí um vídeo que nos apresenta a “ignorância dos nossos estudantes universitários”. Vemos pessoas que, por total desconhecimento ou devido à pressão da súbita entrevista, são incapazes de dizer qual é a capital de Itália ou quem escreveu Os Maias. Divertimo-nos a ver este vídeo e damos-lhe ‘likes’ ao mesmo tempo que lamentamos a existência de pessoas tão burras. Culpamos o sistema educativo, os pais e os professores. E achamos que aqui está a prova de que temos razão: as novas gerações são incultas, estupidificadas e vão destruir o pouco que resta da nossa civilização. Porque nós sabemos que Roma é a capital de Itália, que o Eça de Queiroz escreveu Os Maias, e que o símbolo (sic) químico da água é H2O.

Pois bem. Se o estimado leitor reagiu com um “muito bem” ao parágrafo anterior, tenho o dever de o informar que o estimado leitor é na realidade o maior ignorante nesta história. Porque esta não é uma história da ignorância de alguns universitários que nunca jogaram muito Trivial Pursuit. Afinal, para que serve realmente saber que Roma é a capital de Itália? Sabe quais as capitais do Gabão e do Botswana? E se não sabe, é porque serão países menos importantes que Itália? Quem diz?

Caro leitor, esta é uma história sobre a ignorância dos licenciados (presumivelmente em jornalismo ou comunicação social) que terão sido responsáveis pelo vídeo. E uma história também sobre a ignorância dos muitos licenciados, mestres e doutores que terão acolhido tal ‘reportagem’, partilhado o vídeo nas redes sociais com vigor e aplauso apenas porque servia de prova dos seus preconceitos. É uma história sobre a vontade de generalizar anedotas e calinadas, e sobre a vontade de manipular e ser manipulado. Independentemente do motivo ser político ou apenas dar umas risadas.

Na letra pequena abaixo do tal vídeo lê-se que foram entrevistados 100 alunos, e a cada um foram colocadas vinte questões. Em lado algum nos é dado um número – quantas respostas foram erradas? Dez porcento? Vinte? Ou oitenta? Apenas nos é dada “a ignorância dos universitários” e um ‘best-of’ de respostas escolhidas pelo seu potencial cómico. Constata-se que os responsáveis pelo vídeo não foram medir o nivel de cultura geral dos universitários (e com uma falta de rigor estatístico aterrador): Foram sim arranjar umas quantas calinadas para poderem montar este vídeo. A isto não se chama jornalismo, chama-se propaganda. E para prova da total falta de ética destes senhores veja-se o intertítulo “qual é a fórmula química da água?”, que numa primeira versão se lia “qual o símbolo químico”. Pois com total despudor seguem-se imagens de jovens a meter os pés pelas mãos a uma pergunta mal formulada, como se a pergunta certa tivesse sido colocada.

Isto não é jornalismo. É uma merda. Gostar de chafurdar nela é bem pior que a falta de cultura geral.

Só para dizer uma coisa

Estou indignado com muita coisa. Indignado com a nossa sociedade, a nossa cultura, a nossa política; com os media e a opinião pública, tanto a pop como a alternativa. Estou indignado com a minha inércia e os meus vícios. Estou indignado com os ricos, indignado com os pobres, indignado com os intelectuais e com as pessoas que acham que os dinossauros eram mamíferos ou que África é o nome de um país na América austral.

Mas não admito que uns quaisquer aspirantes a publicitários, que ainda por cima não elegi, se julguem representantes da minha indignação. A minha indignação não requer relações públicas ou qualquer outro tipo de representação. E é orgulhosamente amadora.

Serei profissional noutras coisas – no ensino e nos biscates multimédia pelos quais sou pago habitualmente, na ajuda que ofereço a quem ma merece, ou na procrastinação que pratico com fervor e cuidado -, coisas com as quais espero contribuir de forma concreta para melhorar a minha vida e a das pessoas que se cruzem comigo. Mas jamais terei qualquer aspiração profissional baseada na minha indignação, e repudio quem a tenha.

Os 1% de indignados profissionais, que esperam salivando por tempos ainda mais difíceis que os vinguem, não me merecem mais simpatia que os 1% da elite económica que crackaram todo o sistema socio-económico e que ninguém parece entender que terá que ser reparado para nos pôr a salvo dessa predação. Compreende-se que os predadores e parasitas que exploram a nossa estrutura social não o queiram fazer, mas jamais estarei ao lado dos que querem resolver a questão dinamitando tudo conosco no interior (na versão new-age da crença de que iremos todos para o Céu); ou de umbiguistas a quem apenas interessa o engate retro-revolucionário via Facebook (que alguém por favor abra um resort Maio’68 ou PREC para esta gente!). Não admito que a minha indiganção seja explorada por quem revela, na sua arrogância naif, estar-se cagando para a complexidade do mundo e dos seus 7000 milhões de seres humanos – 7000 milhões de bocas e de sonhos, 7000 milhões de interesses e opiniões altamente contraditórios que é necessário respeitar e gerir sem que nos matemos a todos.

O apolítico é o melhor amigo das elites, o seu agente-duplo que nem necessita de remuneração. É de verdadeira agenda política (Polis – cidade – cidadania) que precisamos: no dia em que vir palavras de ordem de consequência construtiva para os 98% sairei à rua. Receio ter que esperar sentado.

Vudu

Embora já tenha perdido semanas ou meses de vida para jogos de estratégia ou de andar por ali aos tiros, os meus jogos de computador preferidos sempre foram os simuladores de futebol. Quando era miúdo o jogo de eleição era o Match Day no ZX Spectrum, seguindo-se-lhe o Kick Off e o Itália’90. Entrei na adolescência com um Commodore Amiga e rapidamente descobri a perfeição minimalista do Sensible Soccer. A pós-adolescência e os vintes trouxe uma sucessão de PCs de diferentes feitios e a estabilidade de uma alternância entre o FIFA e o PES a cada três ou quatro anos.

Recentemente, jogando campeonatos no FIFA 11, dou por mim a pensar o que seria do mundo se os meus jogos tivessem consequências reais, como se de feitiços vudu se tratassem: imagino o FC Porto a ficar para trás no campeonato transacto e eliminado pelo Spartak de Moscovo depois da grave lesão do Falcão num jogo contra o Beira-Mar, que por qualquer razão o computador achou por bem que se jogasse debaixo de um nevão. Imagino Robert Earnshaw do Nottingham Forest a acordar com uma perna partida depois de o mesmo ter acontecido ao seu boneco digital num jogo da segunda divisão inglesa contra o Watford, enquanto o seu companheiro de equipa Radoslaw Majewski recebe a notícia de uma suspensão de 2 jogos após a sua expulsão num jogo contra o Doncaster disputado num computador português. Isto serão certamente devaneios de alguém que leu demasiadas obras menores de Philip K. Dick (de repente lembra Flow My Tears, the Policeman Said), mas julgo que será também uma boa ilustração dos tais Mercados.

Afinal, falamos de toda uma elite de pessoas que jogam computador o dia todo. Não jogam nem FIFA nem Street Fighter mas sim algo que, pelos vislumbres televisivos das salas de corretagem (espaços que, para ser honesto, nunca visitei), se assemelha aos jogos de estratégia dos anos 80 do estilo Trade Wars. O objectivo é ganhar dinheiro, vendendo caro o que se comprou barato. E podem-se fazer todo o tipo de manigâncias para subir o score. Hackar – ou como se diria na altura, ‘meter POKEs’ – ao sistema financeiro não só é legítimo como faz parte do jogo.

É uma vida boa ser pago para jogar computador o dia todo, ganhando bónus cada vez que se passa de nível. E o melhor de tudo é o vudu que enriquece a conta bancária do jogador: como se a minha vitória nos penálties com o Forest contra o Arsenal na Taça de Inglaterra tivesse colocado na minha conta bancária as 262 mil libras que o computador disse que ganhei, e eu agora pudesse andar aí a enviar para a atmosfera 30 litros de gasolina por cada 100 kilómetros de viagem entre campos de golfe.

Maravilha.